Diocese de Viana do Castelo •

Igreja Católica no Alto Minho

MAPA DA DIOCESE

Stacks Image 110

REGISTO HISTÓRICO



A região entre Minho e Lima disfrutou sempre de uma certa autonomia religiosa até 1514, quando foi incorporada na diocese de Braga no tempo de D. Diogo de Sousa. A sede religiosa da região ter-se-á situado em Viana do Castelo, Tuy, de 569 a 1382, Valença, de 1382 a 1444 e Ceuta, de 1444 a 1514.

A aspiração dos católicos do Alto Minho pela criação da diocese de Viana do Castelo teve o seu primeiro processo, em 1545, no reinado de D. João III, juntamente com os pedidos de Freixo de Espada à Cinta, Covilhã e Abrantes.

Adormecido ao longo dos séculos, o propósito voltou a manifestar-se no princípio do século XX.
Em 1926, depois da criação da diocese de Vila Real, sacerdotes e leigos de Viana do Castelo formularam novo pedido à Santa Sé, o qual viria a ser retomado em 1942, organizando-se, para o efeito, comissões nos vários concelhos. Renovado em 1943, o pedido multiplicou-se em iniciativas cada vez com mais largo apoio da população nos anos 1964, 1970 e 1977, vindo a encontrar resposta neste mesmo ano, pela Constituição Apostólica Ad Aptiorem Populi Dei, de 3 de Novembro, do Papa Paulo VI.

A área da diocese, com 2.108Km2, coincide com território civil do distrito de Viana do Castelo, contando 291 paróquias e uma população de 250.000 habitantes. Ficaram integrados na diocese os sacerdotes que, nesse momento, tinham ofício ou benefício eclesiástico no seu território e os que nele legitimamente viviam. A Igreja Matriz de Santa Maria Maior foi constituída em Sé Catedral e o Convento de S. Domingos, restaurado, tornou-se a sede dos serviços centrais diocesanos.