“As nossas fragilidades trazem-nos o medo de perder tudo”

Celebração 44º aniversário da DioceseA Sé Catedral voltou a encher-se de fiéis para a celebração de encerramento do 44º aniversário da Diocese de Viana do Castelo, que decorreu no passado dia 07. A Eucaristia foi celebrada pelo Administrador Diocesano, Monsenhor Sebastião Ferreira Pires.

A celebração, que também contou com a presença de seminaristas de Braga e Viana do Castelo, iniciou-se com a explicação do Evangelho segundo São Mateus que, de acordo com Monsenhor Sebastião Ferreira, alerta para “a forma ilícita e fraudulenta que muitos bens foram adquiridos”. “As riquezas materiais passaram a ser um instrumento gerador de injustiças e até a corrupção como a ocorrência com os escribas em relação às pobres viúvas (1a parte do Evangelho de hoje)”, especificou, acrescentando: “A mulher, apesar de pagã, ouviu o Profeta, acreditou nas suas palavras, confiou na sua bênção e mostrou a coragem de dar tudo quanto ele pediu e ela possuía. O que tinha era pouco, mas esse pouco era o seu “tudo”, o imprescindível para alimentar o seu filho e a si própria.”

O Administrador Diocesano salientou ainda “a lição importante e eloquente” que a viúva dá “a todos”. “Deus pede aos pobres e aos pequeninos, porque os grandes e ricos deste mundo nada têm para dar. Mais! Deus, em cada um dos pobres, contenta-se com as nossas migalhas e, em troca, faz com que, nem a farinha se esgote na arca, nem o azeite se esvazie na almotolia”, referiu, reconhecendo que “custa muito” colocar “as exigências de Jesus Cristo” na prática. “As nossas fragilidades trazem-nos o medo de perder tudo, de ficar sem reservas, de cair na miséria. Como homem rico do Evangelho (Mt, 17-22), preferimos o tesouro seguro, aqui, na terra, ao tesouro que nos é prometido por Cristo no céu”, afirmou, relembrando que o Evangelho apresenta “um outro exemplo de generosidade e de total desapego dos bens temporais.” “A mulher que Jesus exalta deu pouco, apenas duas pequenas moedas, mas com essas moedas deu mais do que todos os outros, porque deu “tudo” quanto possuía. A virtude dos fariseus era a contradição da lei do amor, a vaidade. A atitude da viúva, porém, tornou-se na riqueza do dom total. Foi esta esmola, este pouco dinheiro, que encheu a caixa das esmolas e o Coração de Cristo. Na aparência, era nada; mas na realidade, aquela pobre mulher «deitou mais que todos os outros», por isso é apresentada como modelo dos discípulos de Cristo”, referiu.Monsenhor Sebastião Ferreira terminou a sua intervenção apelando “à generosidade e à alegria da partilha de bens, segundo a medida de Cristo que se doou em favor da Diocese de Viana do Castelo e do Seminário Diocesano”. “Para quê?”, questionou, concluindo: “Para que possamos, no Seminário, merecer a presença de muitos jovens em discernimento vocacional para o sacerdócio ordenado e, (para que) nesta Diocese, emergente em Sínodo Episcopal, mereçamos possuir os meios indispensáveis ​​à necessária e da acção apostólica e evangelizadora, agora que se está a preparar para, em festa, receber o novo Pastor, sucessor dos Apóstolos, Dom João Evangelista, que nos foi enviado por Sua Santidade, o querido Papa Francisco. Desde já, a nossa gratidão a todos quantos corresponderem ao nosso apelo.”